Agropecuária é destaque positivo na geração de empregos

O setor gerou 46 mil novos empregos, um crescimento de 2,95% em comparação ao mês anterior da pesquisa


Agropecuária é destaque positivo na geração de empregos

Segundo dados do Sebrae, com base nas informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, no Brasil as micro e pequenas empresas foram responsáveis por gerarem 31,2 mil empregos, o equivalente a 91% do total de novas vagas, no Maranhão, as médias e grandes empresas foram as que mais empregaram no mês de maio. Dessas empresas o setor com maior destaque positivo para geração de empregos é a Agropecuária.

A agropecuária gerou 46 mil novos empregos em maio, um crescimento de 2,95% em comparação com o mês de abril. Para o empresário Rodrigo Komatsu, a procura por profissionais na área tem crescido, exemplo disso, é que na sua empresa foram contratadas no mês passado, três pessoas em detrimento de uma demissão. “A demanda por profissionais da área do agronegócio tem aumentado bastante, devido ao crescimento exponencial neste setor, um dos poucos setores que continuam avançando nesse período de crise e por este motivo, continua empregando milhares de brasileiros em vários cantos do país”.

A CRISE ECONÔMICA NÃO AFETOU O AGRONEGÓCIO

O economista Vilmar Segundo, afirma que apesar da crise, o agronegócio não foi afetado devido a fatores que impactaram o setor favoravelmente. “O agronegócio brasileiro tem seguido na contramão da crise nos últimos anos, não apenas pela vocação natural do país para a produção de gêneros alimentícios, mas também por uma série de fatores que impactaram positivamente no setor, como por exemplo, uma situação de câmbio favorável, que eleva os ganhos com exportação, principalmente o Trigo que subiu acima de 18% em junho deste ano”.

Para o economista, devido ao aumento de recursos disponibilizados para modernização da frota agrícola e maior demanda de fertilizantes, demonstra que o setor está aquecido. “Mais recursos foram disponibilizados para a safra 2016/2017 que somam valores superiores a 13,9 bilhões de reais, 5% a mais do que o mesmo ciclo anterior. Essa elevação de 5% é puxada pelo aporte de recursos para o programa de modernização da frota agrícola, que aqueceu o mercado de tratores e colheitadeiras. A elevação na demanda de fertilizantes durante o último semestre de 2016, demonstra que o setor está aquecido e preparando-se para safras recordes” destaca o Vilmar Segundo.