Maranhão: Balança comercial registra déficit de US$ 30 milhões no primeiro semestre


Maranhão: Balança comercial registra déficit de US$ 30 milhões no primeiro semestre

Nos seis primeiros meses de 2016 o volume de exportações do estado totalizou US$ 1.119.066.093, ao passo que as importações no período totalizaram US$ 1.149.265.950, com isso a balança comercial do estado fechou o semestre com déficit de US$ 30.199.857, de acordo com números da Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços – Mdic.
Ainda conforme os números do Mdic, o valor das exportações estaduais apurados no primeiro semestre de 2016 é 26,36% menor do que o registrado no mesmo período do ano passado, no entanto a queda no volume das exportações ainda é menor, se comparada por exemplo, à queda observada nas importações do estado. De janeiro a junho de 2016 as importações do Maranhão sofreram uma variação de -56,24% em relação ao mesmo período de 2015.
O economista Fernando Babilônia destaca alguns fatores que segundo ele, influenciaram diretamente a queda das importações do Maranhão “Em um ambiente de grandes incertezas em relação à economia e política os investidores se retraem. O país, sobretudo, nestes últimos dois anos passa por grave crise política e econômica, com isso, o volume de investimentos e consumo caíram tendo grande reflexo no PIB (país em recessão). Um dos efeitos da recessão é a queda das importações, que via de regra são itens voltados para produção (máquinas e equipamentos) e itens voltados para o consumo e como dito anteriormente em um ambiente de crise os agentes econômicos irão ficar na defensiva reduzindo o investimento e consumo”.

Exportações

Bens intermediários são responsáveis pela quase totalidade das exportações do estado —insumos industriais, alimentos e bebidas destinados a indústria, peças e acessórios de equipamentos de transporte—, juntos, detém 95,94% de participação em tudo o que o Maranhão vende no comércio exterior. Combustíveis e lubrificantes respondem por 2,68%, bens de consumo duráveis e não duráveis respondem por 0,71% e demais operações por 0,67%.

Mercados

Segundo o Mdic, os cinco principais países de destino das exportações maranhenses são: China, com US$ 181.053.498 em vendas, seguido pelos Estados Unidos (US$ 163.349.137), Canadá (151.635.974), Itália (US$151.635.974) e Holanda (94.782.694). Juntos os cinco mercados respondem por 63,56% das exportações maranhenses.

Importações

Combustíveis predominam entre os produtos mais importados pelo estado, de acordo com o Mdic, óleo diesel, álcool etílico, querosene e hidróxido de sódio são os cinco principais produtos comprados no mercado externo pelo estado. A compra destes produtos representou 72,06% das importações do Maranhão entre janeiro e junho de 2016.

Mercados de origem

O mercado americano é a principal fonte de origem das importações que chegam ao Maranhão, os Estados Unidos fornece 36,09% daquilo que o estado compra do exterior, o montante chega a US$ 414.774.607, seguido por Holanda (20,52%), Índia (9,38%), Emirados Árabes Unidos (8,36%) e China (6,69%), outros países totalizam 18,96%.

Segundo maior município do estado, Imperatriz detém expressiva participação nas exportações maranhenses

No primeiro semestre as vendas do município de Imperatriz para o mercado externo foram de US$ 308.949.339. No entanto o número é 4,95% menor do que o registrado no mesmo período em 2015.
Considerando apenas o acumulado de 2016, Imperatriz foi responsável por 27,6% das exportações do Maranhão. Os principais destinos das exportações do município são os mercados da Itália, Estados Unidos, Holanda, França e China.


Foto: APPA / Fotos Públicas (15/02/2016)