Quem são os profissionais mais cobiçados em tempos de crise?

Pesquisa mostra vantagem de cargos nas áreas tecnológica e de gerência; em Imperatriz, cargos de um salário mínimo lideram o ranking


Quem são os profissionais mais cobiçados em tempos de crise?

O Orçamento apresentado para 2016 é deficitário, o País perdeu o grau de investimento, empresas são rebaixadas por agências de risco e, naturalmente, tudo isso é refletido em um mercado de trabalho mais apertado, com menos vagas. Apesar disso, não são todas as profissões que compartilham da crise com tanta intensidade – algumas nem mesmo participam dela.
Um levantamento feito pela Agência Empregos Aqui exclusivamente para a Associação Comercial e Industrial de Imperatriz apontou as 10 vagas mais ofertadas pelas empresas mesmo em tempo de crise. São elas: vendedor, serviços gerais, atendente, auxiliar de cozinha, financeiro, recepcionista, motorista, office boy, auxiliar administrativo e garçom.

De acordo com o responsável pela agência, Ricardo Kadett, a pesquisa quanto aos últimos meses dá uma ideia do que vem acontecendo em um tempo maior e o principal motivo é a falta de qualificação profissional. “As pessoas precisam buscar uma qualificação, não vejo outra forma de ascender no mercado de trabalho. Não pode se acomodar nunca”, aconselha ele. “Os mais qualificados são rapidamente absorvidos pelo mercado”, conclui. Boa parte dos empregos oferecem carteira assinada e um salário mínimo (R$ 788) como remuneração básica. “Mesmo em tempos difíceis, em que milhares de pessoas estão à procura de trabalho em Imperatriz, algumas vagas demoram a serem preenchidas”, afirma Ricardo.

Nacional
Em pesquisa recente, a Page Personnel, uma das maiores empresas globais de recrutamento, mostrou quais são as oito profissões mais procuradas pelo mercado contratante na atualidade. Cargos de áreas relacionadas a resultados e inovação, como marketing e tecnologia da informação (TI), são alguns dos destaques.
De acordo com o gerente executivo da Page Personnel, Ricardo Ribas, “os profissionais que têm um perfil nessa linha podem ter uma oportunidade para um novo desafio, algo que pode ser extremamente positivo em sua carreira”.
Segundo o especialista em recursos humanos, são três os pilares que sustentam a preferência pelos perfis listados no levantamento: redução de custos, mercados com pouca oferta de profissionais e substituição de mão de obra sênior por júnior.
"No caso do especialista em marketing digital, por exemplo, ainda há uma carência [por este tipo de trabalhador], que é caro e acaba inflacionando o mercado", destaca. "Algumas empresas contratam, outras remanejam funcionários de área semelhante e fazem treinamento na prática. Mas a tendência é que o mercado continue sendo carente nesse setor por algum tempo, sendo difícil a ocupação de 100% dessas vagas."
Mudança de gestão na crise
A antiga prática de cortar os gastos ditos supérfluos em momentos de dificuldades financeiras não é mais realidade no mercado brasileiro. De acordo com a coordenadora acadêmica da Academia de Varejo Patricia Cotti, a crise serviu como combustível para empurrar as empresas e colocar em prática o discurso de evolução de processos.
"As empresas estão se voltando para os setores que apresentam resultados, tirando um pouco o foco da operação, da produção. Elas querem o profissional que vai dar a solução para, por exemplo, conseguir vender mais ou otimizar a gerência do negócio", diz.
Para a especialista, consegue se destacar hoje quem já vinha se qualificando em um ritmo constante e que mostra amplo conhecimento do ramo em que trabalha, não só de sua área específica. "Às vezes, o profissional entende tudo da área dele, mas não entende a ponta do negócio, o que o consumidor daquele negócio busca. O mesmo acontece no perfil inverso, quando falta a base teórica. Quem consegue suprir esses dois lados é o profissional mais procurado", completa.
Conheça os oito profissionais mais procurados em tempo de crise no Brasil:

1 - Executivo de Vendas - Marketing de Perfomance e Mídia Digital / Remuneração: R$ 5 mil a R$ 8 mil;
2 - Analista de Marketing Digital / Remuneração: R$4 mil a R$6 mil;
3 - Analista de Planejamento Financeiro Sênior / Remuneração: R$ 6 mil a R$ 9 mil;
4 - Coordenador de IT *generalista / Remuneração: R$ 8 mil a R$ 10 mil;
5 - Técnico de Manutenção / Remuneração: R$ 3,5 mil a R$ 7 mil;
6 - Especialista de Compras / Remuneração: R$ 6 mil a R$ 10 mil;
7 - Secretária Jr / Remuneração: R$ 3 mil a R$ 4 mil;
8 - Coordenador/Supervisor de Vendas / Remuneração: R$ 4 mil a R$ 6 mil;

Fonte: Brasil Econômico - IG