Setor atacadista distribuidor cresce 0,6% em 2016 e fatura R$ 250,5 bi

Agentes de distribuição respondem hoje por 53,7% de tudo que é movimentado no mercado mercearil nacional e embasa otimismo


Setor atacadista distribuidor cresce 0,6% em 2016 e fatura R$ 250,5 bi

A ABAD (Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores) divulga hoje os resultados do Ranking ABAD/Nielsen 2017 – ano base 2016, pesquisa realizada anualmente pela entidade que oferece ao mercado o mais abrangente panorama do segmento atacadista distribuidor nacional, com dados relevantes para todas as empresas que compõem a cadeia de abastecimento no país. De acordo com os resultados da pesquisa do Ranking, em 2016 o segmento atacadista distribuidor cresceu 0,6% em termos reais e 6,9% em termos nominais, atingindo faturamento de R$ 250,5 bilhões. O resultado, embora se aproxime da estabilidade, é considerado satisfatório, tendo em vista que, no ano passado, o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro sofreu retração de -3,6%.

Com isso, os agentes de distribuição respondem hoje por uma fatia de 53,7% do mercado mercearil nacional, que compreende produtos de uso comum das famílias, como alimentos, bebidas, limpeza, higiene e cuidados pessoais e atingiu a soma de R$ 466,2 bilhões em 2016. Os números são apurados a partir de dados fornecidos voluntariamente por empresas do setor associadas à ABAD e analisados pela consultoria Nielsen, em parceria com a FIA (Fundação Instituto de Administração).

ATACAREJO X HIPERMERCADOS



O faturamento do atacarejo cresceu 11,3% em 2016, consolidando esse modelo como importante canal de abastecimento das famílias neste período de alto desemprego e busca por economia. “É importante frisar que o atacarejo não tira mercado dos demais modelos de negócio do setor, como o distribuidor e o atacadista com entrega”, explica o presidente da ABAD, Emerson Destro. Em vez disso, segundo dados da Nelsen, o atacarejo tem incomodado principalmente os hipermercados, que tiveram queda de 7,4% em 2016 na comparação com 2015. Hoje, as famílias têm feito as compras de abastecimento (maior volume) no atacarejo em detrimento dos hipermercados. As compras de reposição (semanais ou diárias) continuam sendo feitas no varejo de vizinhança (principal cliente do setor atacadista distribuidor).

REGIÕES



Em quantidade de respondentes, o destaque é a participação do Nordeste, com 197 empresas. Já em termos de faturamento, verificamos que o Sudeste corresponde a 38% do setor, seguido em importância pelo Nordeste (25%), pelo Sul (17%), pelo Centro-Oeste (12%) e pelo Norte do país (8%). Os resultados confirmam a importância da região Sudeste, que concentra a maior parte do PIB nacional; por outro lado, os números da pesquisa indicam que as empresas respondentes no Sudeste e no Nordeste cresceram, respectivamente, 8,6% e 8,0%, abaixo da média nacional (10,1%), enquanto o maior crescimento esteve nas empresas da região Norte (15%), seguida da região Centro-Oeste (12,6%) e Sul (12.8%).

já verificada nas pesquisas anteriores e que se consolida, de crescimento mais acentuado nas empresas de porte médio, que atendem apenas um estado. Essas são em maior número no estudo e também cresceram 12,1%, acima da média nacional, indicando a descentralização/regionalização do setor.



Assessoria de Imprensa da ABAD
Site - CACB